Grande Enciclopédia Larousse Cultural

Poesia de Radamés Manosso

O Lambrequim (Diário da Tarde)

O Lambrequim (Fundação Cultural de Curitiba)

Lambrequim : Beirais Rendados em Curitiba

Arquitetura em Madeira : uma Tradição Paranaense

Curitiba Capital Ecológica

Lambrequim: Ornamentos em Casas de Madeira

Espirais de Madeira: uma História da Arquitetura de Curitiba

Os Lambroquins Da Ilha Reunião: Geometria Diária, Geometria do Infinito

Os Lambrequins de Reunião

O Lambrequim e sua Mensagem Poética

Simbólico e Poético

Lenda dos Lambrequins

Poesia de Luciana R. Mallon

Lambrequins em Ponta Grossa

Folder da Exposição:
"A Poética dos Lambrequins" - Valdir Francisco

Lambrequins e Rendilhados:
memória de ornamentos em madeira

Uma pequena história de lambrequins...



Folder da Exposição "A Poética dos Lambrequins"
Museu Alfredo Andersen 17 de agosto a 06 de novembro de 2005
Valdir Francisco

Para resgatar e vivificar a lembrança dos lambrequins que povoavam e ornavam os beirais das casas de madeira em Curitiba, o escultor VALDIR FRANCISCO se apropriou de deversos materiais que ressignificam e chamam a atenção do público sobre esses adereços arquitetônicos.
Retirados de seu contexto original e observados como objetos de design, passam a configurar na argila, no MDF e na linóleogravura novas imagens, inusitadas volumetrias, sombras flutuantes, móbiles sonantes a serem visitados e revisitados pelas sensações que buscam presentificar o passado dos curitibanos.
Ao se dizerem como objetos múltiplos, ao se organizarem como linguagens plásticas (escultóricas), aqui os lambrequins construídos por um pensamento transformador geram uma autonomia perceptiva que caracterizam a contemplação poética.

Profª Roti Nielba Turin

A palavra "lambrequim" vem do francês, mas sua origem é holandesa; do flamengo, "lamperkijn". No Dicionário de Arquitetura Brasileira (Corona & Lemos, 1972) consta o seguinte: "antigamente, na heráldica, lambrequim era o nome que se dava a certos ornatos dos elmos e escudos. Depois, o nome pasou a designar enfeites recortados de pano, metal ou madeira colocados nas beiradas de pavilhões, dosséis, etc. Daí o fato de se dar o nome ao rendilhado de madeira recortada, usado na decoração das extremidades dos beirais de certo tipo de construção européia da zona alpina, o conhecido chalé, que entrou em voga no Brasil a partir do fim do século XIX, principalmente na arquitetura particular".

"... sobre o lambrequim cabe ressaltar que nada é tão curitibano! Há várias teorias sobre sua origem. Algumas, cientificamente embasadas, invocam a "persistência da forma", outras alegam a compulsão de adornar, de cunho popular. Eu particularmente prefiro a interpretação poética que justifica o lambrequim como um gesto nostálgico de reviver em nossos beirais a cristalização dos pingos de chuva de rigorosos invernos europeus".

Abrão Assad - Arquiteto

"O morador de Curitiba do começo do Século (XX), ao construir sua casa de madeira, seguia modelos de construção preestabelecidos e - creio eu - pode-se dizer que a sua contribuição pessoal para a beleza externa da casa eram os lambrequins".
Valêncio Xavier - Escritor

"... o lambrequim é uma espécie de assinatura com caligrafia de rara beleza!"
Ives Fontoura - Crítico de design